Blog Widget by LinkWithin

2012-05-31

Convenção ante-nupcial

Promete que me consideras especial,
nada mais nem menos do que bem nem mal.
Aceita-me como sou:
às vezes simples, alegre e improvável
noutras confuso, triste, insuportável,
sempre distintamente único, inefável.

Não me perguntes mais do que uma vez
ou duas (… nunca três!)
porque choro ou rio,
Se não te responder é porque não sei
- a vida nem sempre dá explicações... -
Simplesmente, sorri comigo quando sorrio
e dá-me um afago quando choro…

Não peço que mintas
mas tem o tacto essencial
- li isso, algures, nas selectas
dum curso de namoro em dez lições -
para não dizeres que não gostas
das minhas canções predilectas.

Ah… imploro !!!
- Orientação fundamental -
Fode-me quando eu não quero,
sempre que as agruras formem um rio
e eu não souber onde desagua o desespero.

Da semente do nosso amor, gere uma flor
para que ele tenha continuidade.
Ganhará ela o perfume e a cor
do que perderemos nós com a idade...

Dá-me a tua mão quando teimar em ir sozinho
e alumia-me o caminho
quando ele se mostrar mais claro
- é aí que vou precisar mais de ti

De quando em vez,
dá-me café e torradas
no Inverno à tardinha, junto à lareira.

À noite, deixa-me sonhar com as estrelas
e quando morrer... não gastes velas.

No que for possível, trato-te da mesma maneira!

Fernando Semana, é economista de profissão, nasceu em Valbom, concelho de Gondomar a 12 de Outubro de 1957

Read More...

Perfumados Prados do Meu Peito - Walt Whitman

Perfumados prados do meu peito,
Colho as vossas folhas, escrevo, para melhor as estudar depois,
Folhas dos túmulos, folhas do corpo crescendo sobre mim, sobre a 
          morte,
Raízes vivas, altas folhas, oh o inverno não vos enregelará, delicadas 
          folhas.
De novo floresceis todos os anos, de novo saindo do vosso retiro;
Eu não sei se muitos ao passar vos hão-de descobrir ou aspirar tão  
          suave aroma, mas sei que alguns o farão;
Oh delicadas folhas! Flores do meu sangue! Falai à vossa maneira
          do coração que por baixo tendes,
Eu não sei qual o vosso subterrâneo sentido, não sois a felicidade,
Sois muitas vezes tão cruéis que não vos posso suportar, queimais-
          -me e feris-me,
E, todavia, que bela sois aos meus olhos, raízes levemente colori-
          das, fazendo-me pensar na morte,
A julgar  por vós a morte é bela, (enfim, que haverá de mais belo
          senão a morte e o amor?),
Oh creio que não é em louvor da vida que aqui canto o meu canto 
          de amantes, creio que é em louvor da morte,
Pois, como é sereno, como floresce solenemente ao elevar-se à atmos-
          fera dos amantes!
Vida ou morte, tanto me faz, a minha alma recusa-se a escolher,
(Talvez a alma sublime dos amantes prefira a morte),
Na verdade, ó morte, penso que estas folhas significam o mesmo
          que tu,
Crescei, doces folhas, para que vos possa ver! Crescei sobre o         
          meu peito!
Abandonai o coração que aí se oculta!
Não vos enredeis, tímidas folhas, em vossas rosadas raízes!
Não vos quedeis aí, envergonhadas, ervas do meu peito!
Vinde, estou decidido a desnudar este amplo peito, tanto tempo
          o reprimi e sufoquei;
Emblemáticas e caprichosas folhas, deixo-vos, pois já não me sois
          úteis,
Sem rodeios direi o que tenho a dizer,
Só a mim e aos companheiros hei-de cantar, jamais atenderei outra
          voz que não a sua,
Despertarei ecos imortais em todos os estados do meu país,
Aos amantes darei um exemplo que seja para sempre forma e vontade
em todos os estados do meu país,
Pronunciarei as palavras que exaltem a morte,
Dá-me então a tua música, ó morte, para estarmos em harmonia,
Dá-te a mim porque agora sei que acima de tudo me pertences e
          que tu e o amor estão inseparavelmente unidos,
Não permitirei que me enganes mais com isso a que chamava vida,
Porque enfim compreendo que és os conteúdos essenciais,
Que, por qualquer razão, te escondes nestas mutáveis formas de
          vida, e que elas existem sobretudo para ti,
Que, para além delas, surges e permaneces, tu, realidade real,
Que, sob a máscara das coisas materiais, aguardas pacientemente,
não importa quanto tempo,
Que, talvez um dia, tudo dominarás,
Que talvez dissipes todo este imenso desfile de aparências,
Que talvez seja para ti que tudo existe mas não perdura,
Mas tu perdurarás.


Trad. José Agostinho Baptista


in Rosa do Mundo 2001 Poemas para o Futuro, Assírio Alvim

Walt Whitman (n. emn West Hills, Huntington on Long Island,  New York, 31  mai 1819 – m. 26 mar 1892)

Ler do mesmo autor, nest blog: To a Stranger; Song of myself; Vida

Read More...

2012-05-30

Soneto - Mário Lago

Em cena, um músico, um poeta.
Como um mago, e sua magia...
Que com um truque, nos desconcerta,
Revelando uma cadeira vazia...

E ali... O silêncio... Um teatro mudo...
O choro do palhaço no picadeiro...
O tudo do nada, o nada do tudo,
Calando um mundo inteiro...

Porque diante a ribalta,
A sua presença nos falta,
E a tristeza vem se apresentar...

E na cena, se põem a brilhar,
Como dessa forma eu relato,
Deixando vazio o nosso teatro...

Mário Lago (Rio de Janeiro, 26 de novembro de 1911 — Rio de Janeiro, 30 de maio de 2002)

Read More...

2012-05-29

Às vezes, sinto - Juan Ramón Jiménez

Às vezes, sinto
como a rosa
que serei um dia, como a asa
que serei um dia;
e envolve-me um perfume, alheio e meu,
meu e de rosa;
e um vaguear me prende, alheio e meu,
meu e de pássaro.

Juan Ramón Jiménez nasceu em Moguer, no sul da Andaluzia, em 23 de Dezembro de 1881, morreu a 29 de Maio de 1958 (Foi Prémio Nobel da Literatura em 1956).

Read More...

2012-05-28

Karingana ua karingana - José Craveirinha

Este jeito
de contar as coisas
à maneira simples das profecias
– Karingana ua karingana
é que faz a arte sentir
o pássaro da poesia.
E nem
de outra forma se inventa
o que é dos poetas
nem se transforma
a visão do impossível
em sonho do que pode ser.
– Karingana!

(Karingana ua karingana. Lourenço Marques: Edição da Académica, 1974, p. 3)
José João Craveirinha (Lourenço Marques, 28 de Maio de 1922 — Maputo, 6 de Fevereiro de 2003

Read More...

2012-05-27

Cigarra - No centenário do nascimento de Luís Veiga Leitão

Esta não é filha do sol
com pernas e pés de marinheiros
subindo às árvores das herdades.
Esta é preciso ouvi-la dias inteiros
aquém das grades.

Esta
não chama para os campos doirados
onde o canto é livre e aquece, morno.
Mas para silêncios hirtos e cerrados
com fardas e armas em torno.

Desde o sinal das auroras
até à noite que plange
amortalhando as horas,
seu canto não canta, range…

Ó cigarra das torvas claridades!

Seus cantos só pode cantá-los
a boca de pedra e dentes ralos
do ferro nas grades.
(Noite de Pedra, 1955)

In Poemas Portugueses, Antologia da Poesia Portuguesa do Séc, XIII ao Séc. XXI, Porto Editora

Luís Maria Leitão nasceu em Moimenta da Beira, 27 de Maio de 1912 e faleceu em Niterói, Rio de Janeiro a 9 de Outubro de 1987)

Ler do mesmo autor: Homem

Read More...

2012-05-26

Abstração - Fábio Montenegro

Segredos de noivado. A flórea natureza
Mil farrapos de sombra idílica desfralda.
Sonho... Indolência... o céu é um cofre de turquesa
Entesourando a terra - Oceano de esmeralda.

A alma suave da noite espiritual, da acesa
Via-Láctea que aponta, as cousas engrinalda,
Anda de mundo em mundo, e vibra com realeza,
E vai de monte em monte, vai de fralda em fralda...

Noite. Calma. Mistério. A lua, alva Atalanta,
Leve, irradia, foge, às carícias, por certo,
De alguém que diz amor - amor que fulge e canta...

Volúpia. E ela a fugir. Hipomene, lá pelas
Nuvens, chama-a talvez, busca-a, e, tendo-a já perto,
Para alcançá-la espalha o pomo das estrelas!...

Fábio Montenegro nasceu em Santos, SP a 26 de maio de 1891 e faleceu a 21 de agosto de 1920.

Read More...

Sonnet - Monsieur de Voiture

Il faut finir mes jours en l’amour d’Uranie!
L’absence ni le temps ne m’en sauraient guérir,
Et je ne vois plus rien qui me pût secourir
Ni qui sût rappeler ma liberté bannie.

Dès longtemps je connais sa rigueur infinie!
Mais pensant aux beautés pour qui je dois périr,
Je bénis mon martyre, et content de mourir,
Je n’ose murmurer contre sa tyrannie.

Quelquefois ma raison, par de faibles discours,
M’incite à la revolte et me promet secours,
Mais lorsqu’à mon besoin je me veux servir d’elle,

Après beaucoup de peine et d’efforts impuissants,
Elle dit qu’Uranie est seule amable et belle
Et m’y rengage plus que ne font tous mes sens.


Em Português

Força é acabar no amor d’Urânia os dias;
Tempo nem ausência saberão valer-me:
Nada vejo que possa socorrer-me,
Nem que saiba remir-me em tais porfias.

Ânsias há muito que conheço impias;
Mas vendo as graças por quem vou perder-me
Meu martírio engrandeço e, alegre em ver-me,
Morro sem maldizer tais tiranias.

Razão talvez, por falso pensamento,
Mostra os socorros e à batalha incita:
Mas, se dela me valho em meu tormento,

Despois da grave pena se me evita;
E, empenhando-me mais o entendimento,
Bela e amável Urânia me acredita.


Trad. de Francisco Manuel de Melo

Vincent Voiture - Monsieur de Voiture - n. 1597 em Amiens, França; m. 26 mai 1648 em Paris

Read More...

2012-05-25

DÁ TUDO AO AMOR - Ralph Waldo Emerson

Dá tudo ao amor;
Obedece ao teu coração;
Amigos, família, dias,
Bens, reputação,
Planos, crédito e a Musa, -
Nada recuses.

É um grande senhor;
Dá-lhe carta branca:
Segue-o sem remissão,
Esperança além da esperança:
Cada vez mais alto,
Ele mergulha na tarde,
De asa intacta,
Desígnio oculto;
Pois é um deus,
Conhece o seu caminho
E os caleiros do céu.

Nunca se destinou aos fracos,
Exige coragem intransigente.
Almas que vencem a dúvida,
De valor inquebrantável,
Ele recompensará -
Elas regressarão,
Melhores que eram,
Em ascensão contínua.

Deixa tudo pelo amor;
Ouve-me, pois, ouve-me,
A mais uma palavra sujeita o teu coração,
Mais um impulso de firme empenho.
Mantém-te hoje,
Amanhã, para sempre,
Livre como um árabe,
De quem tu amas.

Que a amada seja a tua própria vida,
Mas quando a surpresa,
A primeira sombra ténue de suspeita
Passar pelo seu jovem peito,
De uma alegria que te exclui,
Livre seja ela, livre sem peias;
Não agarres a orla do seu vestido,
Nem a rosa mais pálida que arrancou
Do seu diadema de verão.

Embora a amasses, como a ti mesmo,
Como alguém de barro mais puro,
Ainda que a sua partida escureça o dia,
Roubando encanto a toda a vida,
Sabe do coração
Que quando os semideuses partem,
Os deuses chegam.

Trad. José Alberto Oliveira

in Rosa do Mundo, 2001 Poemas para o Futuro, Assírio & Alvim

Ralph Waldo Emerson (n. em Boston, Massachusetts, a 25 de maio de 1803 - m. a 27 de abril de 1882, Concord, Massachusetts)

Read More...

2012-05-24

Soneto - João Alphonsus

No meio do caminho sem sentido
Em que minha retina se cansava,
Em face ao meu espírito perdido
Naquela lassidão estranha e escrava,

No meio do caminho sem sentido,
Só uma pedra... Nada mais se achava!
Que tudo se perdeu no amortecido,
Morto marasmo de vulcão sem lava...

Que tudo se perdeu na estrada infinda...
Só a pedra ficou sob meu passo
E na retina se conserva ainda!

Nem coração, furor, ódio, carinho,
Nada restou senão este cansaço,
A pedra, a pedra, pedra no caminho

João Alphonsus de Guimaraens n. em Conceição do Mato Dentro, Minas Gerais a 6 de abril e faleceu em 24 de maio de 1944 (Foi o terceiro filho do grande poeta simbolista Alphonsus de Guimaraens).

Read More...

2012-05-23

Benfica é o campeão nacional de Basquetebol

Porto 53 - 56 Benfica

O Benfica ganhou a finalíssima no Dragão Caixa e, assim com dois triunfos em casa do ex-campeão a equipa encarnada sagrou-se campeã nacional da época desportiva 2011/2012. Um jogo de muitos nervos com um primeiro período equilibrado. O maior número de turn-overs do Porto foi compensado com maior número de ressaltos ofensivos mas o Benfica comandava o marcador no final dos primeiros dez minutos por 19-17 com triplos de Diogo Carreira e Ted Scott no final do período a dar essa vantagem.

O segundo período foi catastrófico para o Porto. Se no início desse segundo período as falhas na concretização foram de ambos os lados o Benfica melhorou e ganhou por 13-4 com os quatro pontos a serem marcados exclusivamente por Stempin e sempre de lance livre mas desaproveitando quase sempre um dos dois lançamentos.

Ao intervalo a vantagem do Benfica era assim de onze pontos 32-21, nada para garantir o triunfo mas relevante se considerarmos a fraca produção de pontos de ambas as equipas. O Porto tinha de recuperar 11 quando só marcara durante a primeira parte 21.
A verdade é que o Porto apareceu logo a recuperar 4 pontos fazendo 25-32 mas a seguir foi a vez do Benfica chegar à diferença máxima quando Scott fez o triplo que pôs o marcador em 27-40! As defesas mantinham-se muito agressivas o marcador lá avançava de vez em quando quase sempre intercalado com falhas ou com as equipas a deixarem expirar o tempo de ataque. O Benfica adianta-se no marcador com dois lances livres de Heshimu a pôr o score em 33-45! O Porto recupera na parte final, ataque encarnado (mais um) a expirar o tempo de lançamento e Stempin de lance livre a reduzir para 37-45 sendo o melhor marcador portista, então com 14 pontos.  Final do 3º. período com mais um lançamento portista a pôr o resultado em 39-45.
A posse de bola no início do 4º. período foi encarnada mas Frederick Gentry desastroso na concretização(acabaria o jogo com 6 pontos ainda assim mais um ponto do que Seth Doliboa!) desperdiçou. No lado do Porto Diogo Correia, que esteve muito bem no 3º. jogo na Luz, não foi muito feliz neste; beneficiando de três lances livres (sofrera falta na tentativa de um triplo) conseguiu dois pontos. O Benfica agora também pressionado pelo público deixava evaporar gradualmente a preciosa vantagem adquirida e um triplo de Miranda colocou o Porto a 3 pontos (44-47). Doliboa marca apenas um de dois lances livres e a vantagem encarnada passa para 4 para logo depois ficar reduzida a um quando Carlos Andrade conseguiu um triplo. A vantagem encarnada era mínima mas Doliboa respondeu, de imediato, também com um triplo e terá sido este o lance que manteve o Benfica na corrida do título 47-51. A 3' 32'' do fim José Costa com dois lances livres falha um, o Porto ganha o ressalto ofensivo mas não marca. A 3' 00'' do fim 48-51. Uma marcação baixíssima.
O desacerto continuou ao ponto de só a 19 segundos do fim o resultado mexer para 50-51 com dois lances livres de Greg Stempin. Falta rápida dos portistas mas sobre o base Diogo Carreira que não treme e põe o resultado em 50-53 a 17'' do fim. Pedido de desconto do Porto e na reposição de bola há uma enorme asneira com os portistas a perderem a bola. Falta sobre Doliboa a 14'' com o americano do Benfica a marcar apenas um ponto mas suficiente para requerer, no mínimo, duas posses de bola aos portistas para neutralizar a desvantagem. Na primeira João Santos faz o triplo e pôe o marcador em 53-54 a 4" do fim com posse de bola para o Benfica. Carlos Lisboa pede desconto de tempo e assim a bola é reposta ao lado no meio-campo portista. Irá o Porto fazer uma falta rápida e tentar mais uma posse de bola? Na tentativa de marcação Norris fica livre debaixo do cesto e desta vez não falhou - os únicos dois pontos marcados deste jogador - 53-56! O tempo muito escasso não deu para uma tentativa de triplo com hipóteses de sucesso para a equipa da casa.
Um jogo de luta, muito aguerrido, mas com um marcação baixíssima; atiradores desinspirados. Decisivo para o desfecho a ineficácia portista no segundo período do jogo com apenas 4 pontos em dez minutos (e todos de lance livre)! Carlos Lisboa agora como treinador volta a ser campeão nacional e o Benfica reconquista o título o terceiro nos últimos quatro anos!

O que é lamentável é que a Taça não pôde ser entregue no recinto e os festejos tiveram de ser no balneário. O SLB SLB SLB **lhos da puta era o slogan dos portistas. Mas já estamos habituados... lamentável é que apesar da legislação sobre o fair-play desportivo não aconteça nenhum castigo. As autoridades são moucas... (ou os portistas mandam... como a rábula da transmissão do jogo que foi feita pelo Porto Canal quando a Federação atribuira os direitos televisos à Sport TV! ).

Read More...

NOCTURNO - José Asunción Silva

Uma noite,
uma noite toda cheia de perfumes, de murmúrios e de músicas de asas,
uma noite
em que ardiam na sombra nupcial e húmida, pirilampos fantásticos,
ao meu lado, lentamente, a mim toda cingida,
muda e pálida
como se um pressentimento de amarguras infinitas,
até ao fundo mais secreto das tuas fibras te agitasse,
pelo atalho que atravessa a campina em flor
caminhavas
e a lua cheia
pelos céus azúleos, infinitos e profundos espargia a sua luz branca,
e a tua sombra
fina e lânguida,
e a minha sombra
pelos raios da lua projectadas,
sobre as areias tristes
da vereda se juntavam
e eram uma
e eram uma
E eram um única longa sombra!
E eram um única longa sombra!
E eram um única longa sombra!
Esta noite
sozinho, a alma
cheia das infinitas amarguras e agonias da tua morte,
separado de ti mesma, pela sombra, pelo tempo e a distância,
pelo infinito negro,
que a nossa voz não alcança,
só e mudo
pelo atalho caminhava,
e ouvia-se o ladrar dos cães à lua,
à lua pálida,
e o coaxar
das rãs...
Tive frio, era o frio que sentiam no quarto
as tuas faces e a tua testa e as tuas mãos adoradas,
entre as brancuras níveas
das brancas mortalhas!
Era o frio do sepulcro, er o frio da morte,
era o frio do nada...
e a minha sombra
pelos raios da lua projectada,
ia sozinha,
ia sozinha,
ia sozinha pela estepe solitária!
e a tua sombra esbelta e ágil
fina e lânguida,
como nessa noite morna da morta primavera,
como nessa noite cheia de perfumes, de murmúrios e de música de asas,
abeirou-se e caminhou com ela,
abeirou-se e caminhou com ela,
abeirou-se e caminhou com ela... Oh as sombras enlaçadas!
Oh as sombras que se procuram e se juntam nas noites de negruras e de lágrimas!...

in UM PAÍS QUE SONHA, cem anos de poesia colombiana, Assírio & Alvim
José Asunción Silva (n. Bogotá, 27 de novembro de 1865; f. a 23 de maio de 1896)

Read More...

2012-05-22

Rosas - Ciro Costa

Beijo-te as lindas mãos com que me feres.
As lindas mãos com que me feres, beijo.
Entre os desejos meus eu só desejo
ter a vaga ilusão de que me queres.

E é só. E é tudo. Entanto, se puderes
acolhe com um sorriso o meu cortejo.
Já não me iludo ao ver-te qual te vejo
uma mulher como as demais mulheres.

Ao teu jugo, ai de mim! estou sujeito.
Se há goivos que vicejam no meu peito
vivo contigo, amor, em pensamento.

Toda mulher é rosa – aroma e espinho.
Todo homem é um farrapo solto ao vento
mas, ai dele! sem rosas no caminho...


Ciro Costa (n. em Limeira, São Paulo a 18 de Março de 1879; m. no Rio de Janeiro a 22 de Maio de 1937).

Ler do mesmo autor, neste blog:  Pai João; Mãe Preta

Read More...

2012-05-21

Segundo Lorca / After Lorca - Robert Creeley

Para M. Marti

A Igreja é um negócio e os ricos
são os homens de negócios.
                                          Quando tocam os  sinos, os
pobres entram e amontoam-se e quando um pobre morre, tem uma
              cruz
de madeira, e apressam-se na cerimónia.

Mas quando um rico morre.
retiram o Sacramento
e uma Cruz dourada e vão doucement, doucement
para o cemitério
E os pobres adoram
e acham fantástico.

Trad. José Alberto Oliveira

in Rosa do Mundo, 2001 Poemas para o Futuro, Porto Editora

ORIGINAL

After Lorca

The church is a business, and the rich
are the business men.
                                          When they pull on the bells, the
poor come piling in and when a poor man dies, he has a wooden
cross, and they rush through the ceremony.

But when a rich man dies, they
drag out the Sacrament
and a golden Cross, and go doucement, doucement
to the cemetery.

And the poor love it
and think it's crazy.

Robert Creeley (n.Arlington, Massachusetts, USA, 21 Mai 1926 – f. 30 Mar 2005)

Read More...

Estória de Marieta, a moça que dançou no inferno - No centenário do nascimento de Joaquim Batista de Sena


O mundo está desgraçado
a terra está corrompida
muitos já não crêem em Deus
e Maria Concebida
e vão no inferno e voltam
aqui mesmo nessa vida

Segundo as santas palavras
de Cristo e de Deus Eterno
este povo pecador
do nosso tempo moderno
que peca sem ter receio
está tudo no inferno

Esta semana uma velha
me contou um fraseado
que se deu com uma moça
neste carnaval passado
e cuja estória deixou-me
bastante impressionado

Marieta é uma moça
filha duma viuveta
destas que andam na terra
pra toda festa e retreta
tem uns 40 maridos
e só traja roupa preta

Elas moram em Fortaleza
de Pirambu para um lado
dizem que a Marieta
possuía um namorado
então os dois só gostavam
dum namorinho agarrado

Então no domingo gordo
começou o carnaval
e Marieta vestiu
um traje muito imoral
e foi dançar com o noivo
um tal Francisco Amaral

A mãe dela disse assim:
— Marieta que traje estranho!
ela respondeu: — Mamãe
eu com nada me acanho
hoje eu vou passar o dia
dançando e tomando banho

E vestiu um soutiens
quase da forma dum lenço
o maiô outro lencinho
que desta forma eu penso
que aonde ela passasse
era um carnaval imenso

E saiu dizendo assim
— Francisco vamos beber
e dançar agarradinhos
até o dia amanhecer
e tomar banho de mar
que hoje é bom pra valer

E saiu dali pulando
com o Francisco agarrada
beijo vai, beijo vem
e soltando gargalhada
entrançadinha com ele
que só renda de almofada

E foram dançar na festa
de uma tal de Iracema
o Francisco disse assim:
— Querida você não tema
vamos dançar ligadinhos
rasgando o passo da ema

Marieta respondeu:
— Querido eu te afianço
olhe, eu estando contigo
tendo música eu me balanço
até dentro do inferno
havendo quem toque eu danço

E nesta hora saíram
os dois na sala dançando
porém ele pressentiu
ela cansada e suando
e nos braços de Francisco
depressa foi desmaiando

Pararam a parte com pressa
e o Francisco levou
Marieta para um quarto
e numa cama a deitou
e ela ali desmaiada
um certo tempo passou

Quando despertou da síncope
estava muito suada
e contou uma estória
sinceramente narrada
que deixou aquela gente
na sala impressionada

Marieta ali contou
que quando estava dançando
com Francisco, olhou para ele
ele foi se transformando
num diabo horrendo e feio
e ela foi desmaiando

E viu ali que Francisco
virou-se no satanás
de chifre e olhos de fogo
um rabo comprido atrás
pegou ele, então voou
para as regiões infernais

Num segundo ela se viu
dentro dum prédio moderno
com uma placa de fogo
na frente, dizendo: "Inferno
onde bradam os condenados
dentro dum presídio eterno"

E olhou para todo lado
só viu a escuridão
e dentro daquela treva
uma enorme multidão
se mordendo indignados
na maior exclamação

Nisto o monstro que levou-a
disse: — Vamos passear
nesta nossa residência
pra você quando chegar
no mundo dos pecadores
de tudo saber contar

E saiu mostrando a ela
todo povo encarcerado
o ladrão, o assassino
o bêbado, o amasiado
a prostituta, o velhaco
o filho amaldiçoado

Ela viu lá o castigo
do sujeito preguiçoso
arrastando acorrentado
um peso grande, horroroso
trabalhando eternamente
sem um pequeno repouso

A mulher luxuosa
lá no inferno é despida
o corpo todo algemado
a cara toda franzida
se mordendo e dando gritos
cheia de pus e ferida

Ainda tinha outro castigo
pra mulher falsa ao marido
tem que beber todo instante
ferro e chumbo derretido
duma fornalha tremenda
gritando e dando bramido

Os compadres amigados
pra eles tem umas camas
nas profundas do inferno
com angustiosas flamas
e são enormes os bramidos
deles lá dentro das chamas

O guloso é atacado
de uma fome canina
lá dentro das labaredas
se maldizendo da sina
exclamando e sem auxílio
da Providência Divina

No inferno o invejoso
será sempre castigado
vendo as delícias do céu
para o bem aventurado
e ele dentro das chamas
do inferno acorrentado

Lá presente a Lúcifer
o orgulhoso é levado
então pra século sem fim
ele ali fica humilhado
perante o Príncipe das Trevas
nos pés dele acorrentado

O invejoso é laçado
por uma grande serpente
lá dentro das labaredas
uivando e rangindo o dente
bebendo todo instante
um caldo de ferro quente

O ladrão é açoitado
com toda rigorosidade
amarrado numa roda
para toda eternidade
e um diabo moendo
com toda velocidade

No inferno o cachaceiro
vive lá numa prisão
no fundo dum lamaçal
na enorme podridão
bebendo um caldo de chumbo
com enxofre e alcatrão

O rico lá no inferno
vai ser um pobre mendigo
faminto, descalço e nu
sem pão, sem lar, sem abrigo
conforme os gozos do mundo
tem no inferno o castigo

Então assim Marieta
percorreu todas prisões
de braços com Lúcifer
ouvindo as exclamações
das almas dos condenados
no auge das aflições

Nesta hora ela lembrou-se
da Virgem Nossa Senhora
e Lúcifer deu um grito
dizendo: — Pode ir embora
venha que eu vou deixar
você do lado de fora

Quando ela despertou
da síncope, estava deitada
muita gente em redor dela
e Marieta espantada
contou daquela visão
toda estória passada

Depois ela arrependida
deixou a farra e a dança
pois este exemplo ficou
gravado em sua lembrança
e de salvar sua alma
ainda tem esperança

E três minutos passou
sobre a cama desmaiada
quando despertou da síncope
ficou impressionada
pensando que há três anos
estava ali acamada

poema extraído daqui
Joaquim Batista de Sena nasceu no dia 21 de maio de 1912, em Fazenda Velha, do termo de Bananeiras, hoje pertencente ao município de Solânea-PB. Faleceu no distrito de Antônio Diogo (Redenção-CE) no início da década de 90.



Read More...

2012-05-20

Segredo - Maria Teresa Horta

Naked womanimagem daqui

Não contes do meu
vestido
que tiro pela cabeça

nem que corro os
cortinados
para uma sombra mais espessa

Deixa que feche o
anel
em redor do teu pescoço
com as minhas longas
pernas
e a sombra do meu poço

Não contes do meu
novelo
nem da roca de fiar

nem o que faço
com eles
a fim de te ouvir gritar

in Cem Poemas Portugueses no Feminino, selecção, organização e introdução de José Fanha e José Jorge Letria, Terramar

Maria Teresa Horta (nasceu em Lisboa a 20 de Maio de 1937)

Ler da mesma autora, neste blog:
Poema sobre a recusa
Morrer de Amor
Joelho

Read More...

2012-05-19

A Inegualável - Mário de Sá-Carneiro

VioletasVioletas imagem daqui

Ai como eu te queria toda de violetas
E flébil de cetim...
Teus dedos longos, de marfim,
Que os sombreassem jóias pretas...

E tão febril e delicada
Que não pudesses dar um passo -
Sonhando estrelas, transtornada,
Com estampas de cor no regaço...

Queria-te nua e friorenta,
Aconchegando-te em zibelinas -
Sonolenta,
Ruiva de éteres e morfinas...

Ah! que as tuas nostalgias fossem guisos de prata -
Teus frenesis, lantejoulas;
E os ócios em que estiolas,
Luar que se desbarata...

............................
............................

Teus beijos, queria-os de tule,
Transparecendo carmim -
Os teus espasmos, de seda...

- Água fria e clara numa noite azul,
água, devia ser o teu amor por mim...
Lisboa 1915, fevereiro 16,

in Poemas Completos, edição Fernando Cabral Martins, Assírio & Alvim

Mário de Sá-Carneiro (n. Lisboa, 19 de Maio de 1890; m. em Paris, 26 de Abril de 1916 -suicídio).

Ler do mesmo autor neste blog:
Fim
Crise Lamentável
Escavação
Ápice
Além-Tédio
Quasi
Dispersão
I lost myself within myself... (tradução parcial do poema Dispersão)
Último Soneto
A Queda
IX - Como eu não possuo

Read More...

O Soneto - Julio Dantas

Ó florentino túmulo de prata!
Ó sepultura de catorze versos!
Demais viveu em ti, aprisionada,
A asa vibrátil do meu pensamento!

Demais sofri a dura disciplina
Do teu chicote de catorze pontas,
Soneto arcaico, inquisidor vermelho,
Que Petrarca há seis séculos gerou!

Ó taça antiga de catorze gomos,
Taça de oiro de Guido Cavalcanti,
Bebi por ti, mas atirei-te ao mar!

Não se ouvem mais os címbalos da rima!
Asa liberta, voa em liberdade!
Jaula de bronze, estás aberta, enfim!

Extraído de Antologia de Poemas Portugueses Modernos, por Fernando Pessoa e António Botto,
Ática Poesia

Júlio Dantas (Lagos, 19 de Maio de 1876 — Lisboa, 25 de Maio de 1962)

Read More...

2012-05-18

Soneto I de Iluminuras - Erico Curado

Ao esplendor das manhãs, silencioso e contrito,
Como é belo e sublime — olhar-se a natureza:
Sentir-se dentro dalma esse afago bendito
Que em perfume conduz de devesa em devesa.

Ver-se um céu sempre azul perder-se no infinito,
E das aves ouvir-se um hino de pureza,
E o rumor da floresta e dos montes o grito,
Num concerto divino à suprema beleza...

E, além, o vale imenso e o rio que, disforme,
Das brumas vai seguindo o branco vulto enorme!
Desatam-se em perfume os brancos laranjais...

E o gado vem descendo em procura de aprisco,
Abre-se então o sol, em fogo, o flavo disco,
E, aqui e ali, se exalça a alvura dos casais...


Erico Curado nasceu em Pirenópolis (GO), em 18 de maio de 1880; faleceu em Goiânia, em 11 de janeiro de 1961

Read More...

Happy Birthday Luisana Lopilato



Luisana Lopilato

Read More...

2012-05-17

Desmantelo Azul - Carlos Pena Filho

Nota do webmaster: Este poema dedico-o aos meus amigos portistas (sim, tenho alguns!) que, às vezes, certamente, tão mal de mim pensam ao ler os meus comentários futebolísticos...


Então pintei de azul os meus sapatos
por não poder de azul pintar as ruas
depois vesti meus gestos insensatos
e colori as minhas mãos e as tuas

Para extinguir de nós o azul ausente
e aprisionar o azul nas coisas gratas
Enfim, nós derramamos simplesmente
azul sobre os vestidos e as gravatas

E afogados em nós nem nos lembramos
que no excesso que havia em nosso espaço
pudesse haver de azul também cansaço

E perdidos no azul nos contemplamos
e vimos que entre nascia um sul
vertiginosamente azul: azul.


Carlos Souto Pena [Carlos Pena Filho] (n. no Recife a 17 de Maio de 1929; m. Recife, 1 de Jul de 1960)

Ler do mesmo autor neste blog:
Para Fazer Um Soneto
A Palavra
A Solidão e a Sua Porta

Read More...

CANÇÃO PUNITIVA - José Emílio-Nelson


Atarda-me o olhar naquela escarpa
(Distância intranquila de sombra
Ou penas de pássaros acamadas?)
Pena de mim mesmo enquanto lembro
No pálido ar, homem obscuro,
A sua imagem, inacessível.
Desconheço o azul de mulher tão lívida.
O coração é uma pequenina pedra rosa.
As minhas lágrimas são de metal.
 

(in Polifemo e Outros Poemas)

José Emílio de Oliveira Marmelo e Silva, que usa o pseudónimo de José Emílio-Nélson, nasceu em Espinho, em 17 de Maio de 1948.

Ler do mesmo autor, neste blog: Mahler

Read More...

2012-05-16

A Alma Que Passa - Ronald de Carvalho

Click na foto para obter melhor resolução


Orpheu. - Ano 1, nº 1 (Jan-Fev-Mar. 1915)

Ronald de Carvalho (n. Rio de Janeiro, 16 de Maio de 1893 — m. Rio de Janeiro, 15 de Fevereiro de 1935). Ler do mesmo autor neste blog:
Anoitece
Filosofia
Sabedoria

Read More...

Mentiroso... como o título que festejam

«todos nós sabemos não é preciso que seja dito toda a gente o sabe qual era o clube do tempo do fascismo e hoje aquilo que vocês todos estão aqui a fazer é responder a esse tempo do fascismo...»

Pior do que falsas e mentirosas estas afirmações revelam a natureza da pessoa que as proferiu. Um sujeito intelectualmente distorcido, manipulador, grosseiro, sem ética e sem moral. Acha que consegue sozinho, com um discurso hitleriano, conduzir as suas «tropas» e deturpar a realidade histórica.

O BENFICA, sempre foi, REFERÊNCIA DE LIBERDADE E DEMOCRACIA. Sempre! «Nos tempos da outra senhora, o Sport Lisboa e Benfica chegou a ser considerado como uma referência democrática, um oásis onde coexistiam vozes de todas as origens políticas e em que algumas figuras notórias da oposição ao Estado Novo chegaram a ser membros dos órgãos sociais do clube. Digo isto com tanto mais admiração e à vontade, quanto é certo que sempre fui adepto do Sporting Clube de Portugal, o qual, pelo contrário, era conhecido pelas suas notórias ligações ao Estado Novo e foi quase sempre dirigido por figuras mais ou menos proeminentes da extrema-direita do regime salazarista. Para grande desespero de alguns adeptos como eu que, por carolice ou amor à camisola, nunca viraram a casaca, apesar dos dichotes e bicadas (mais que justas) de muitos adeptos do Benfica» - Alfredo Barroso, personagem insuspeita.

O Benfica teve dirigentes perseguidos pela ditadura e o primeiro hino do clube foi alvo de censura. Permanentemente de casa às costas, viu tardiamente o seu estádio ser construído apenas com sacrifício dos sócios, da solidariedade, imagem de marca dos estratos sociais mais humildes e de raízes operárias. O mais popular dos clubes portugueses caracteriza-se pelo ecletismo das suas modalidades. A mística - entranhada na pele de figuras como Eusébio, Guttman, António Livramento, José Maria Nicolau e Carlos Lisboa. Actualmente, o clube do mundo com mais sócios, desperta ódios e invejas, mas ao mesmo tempo consegue ser um expoente de modernidade pois desenvolveu um canal televisivo, uma Fundação, construiu parcerias estratégicas e um estádio novo.

Recorde-se O Hino do Benfica com letra de Félix Bermudes e música de Alves Coelho em 1929 e que rezava assim:
Avante, Avante p'lo Benfica"

"Todos por um!" eis a divisa,
Do velho Clube Campeão,
Que um nobre esforço imortaliza,
Em gloriosa tradição.

Olhando altivo o seu passado,
Pode ter fé no seu futuro.
Pois conservou imaculado
Um ideal sincero e puro.

REFRÃO
Avante, avante p'lo Benfica,
Que uma aura triunfante Glorifica!
E vós, ó rapazes, com fogo sagrado,
Honrai agora os ases
Que nos honraram o passado!

Olhemos fitos essa Águia altiva,
Essa Águia heráldica e suprema,
Padrão da raça ardente e viva,
Erguendo ao alto o nosso emblema!

Com sacrifício e devoção
Com decisão serena e calma,
Dêmos-lhe o nosso coração!
Dêmos-lhe a fé, a alma!

Em 1942 foi censurado pelo Estado Novo fascista, porventura, pelo apregoar do «Avante, Avante p'lo Benfica», e possível associação com o nome do jornal oficial do Partido Comunista. As gerações actuais praticamente não usam a palavra encarnado a não ser para se referirem às camisolas do Benfica e porquê? Por que mais uma vez as camisolas vermelhas do Benfica - ou os «vermelhos» eram incómodas para o regime dominante.Assim eufemisticamente eram «os encarnados».

No Benfica sempre existiram eleições livres e democráticas...

Deturpadores, senhor Pinto da Costa, há muitos mas História é História e o seu clube por mais títulos que consiga não consegue reescrevê-la como quis (e quer) o senhor ao pactuar com a (nova)data de nascimento do seu clube.
Veja-se:


Neste documento verifica-se que em 13 de Março de 1928 o Foot-ball Club do Pôrto foi declarado como utilidade pública. Mas veja-se bem em 1928 dizia-se que «considerando que o Foot-Ball Club do Porto, fundado em 1906, com sede no Pôrto tem prestado relevantes serviços à causa da educação física...»

Pois bem! Nos dias actuais a história reinventada é que «em 1893 António Nicolau d'Almeida jovem comerciante da Invicta funda a colectividade a que deu o nome de Foot-Ball Club do Porto». Entre 1893 e 1906 nada se sabe, nada se diz - mesmo no sítio oficial do clube - até que em 1906 «José Monteiro da Costa recuperou o Foot-Ball Club do Porto, a 2 de Agosto. A ideia vingou e o clube renasceu. Foi presidente de 1907 a 1911. Em Dezembro, no campo da Rua Rainha, o FC Porto recebia baptismo nas pugnas desportivas ao defrontar o Boavista Footballers Club». Um clube que recebeu baptismo nas pugnas desportivas em 1906, treze anos depois de ter sido "fundado"?! Brilhante... afinal o clube não foi fundado em 1906, simplesmente "renasceu" ! Tinha nascido em 1893! ... e em 1928 não se sabia isso... Fico estupefacto!

Tenham vergonha... Os fins não justificam todos os meios...

Mas atente-se nesta fotografia:


Da esquerda para a direita: Ângelo César (presidente do FC Porto entre 1938 e 1939), Oliveira Salazar (1889/1970), Óscar Carmona (1869/1951) e Urgel Horta (presidente do FC Porto em 1928/29 e de 1951 a 1953).

Foi sob a presidência de Urgel Abílio Horta nascido em 17 de Junho de 1896, em Felgar, Torre de Moncorvo, que foi inaugurado o Estádio das Antas em 28 de Maio de 1952, o Dia das Comemorações Fascistas, integrando a inauguração do estádio nas celebrações dos 26 anos da implantação do Regime.

Bem para que não haja distorções fica aqui somente mais um dado histórico: o Benfica ganhou esse jogo (é claro que não foi o Pedro Proença a arbitrar!) por 8-2 !!!

Mas fiquemos por aqui ... Exijo que se reponha a verdade e se aponte sempre os mentirosos que não merecem triunfar na sociedade! Avante, avante p'lo Benfica, pelo inestimável valor da liberdade do grandioso, popular e democrático Benfica!

Read More...

2012-05-15

Poema (sem título) de Eduardo Ramos

Quero... porém, sem querer...
Amo, e muito... sem amar...
Tenho um prazer... sem prazer...
Sou como quem busca ver -
mas... que prefere cegar...

Se eu dissesse: "Não!" mentia.
Se: "Sim!" faltava à verdade.
Tenho a calma... da agonia:
Metade, sou de alegria,
Sou de dor a outra metade...

Que a face alegre aparente...
Que importa? - a face escondida,
Como n’água transparente,
Vê-se um tumulto latente
No fundo de minha vida...

Porque... Quero... sem querer.
Amo e muito... sem amar,
Sofro do próprio prazer...
Mando a minh’alma dizer,
E ela me manda calar...

(O Jornal, 28.01.1934.)

Poema Extraído do sítio da Academia Brasileira de Letras

Eduardo Pires Ramos (Salvador, 25 de maio de 1854 — Rio de Janeiro, 15 de maio de 1923)

Read More...

15 de Maio - Feriado Municipal nas Caldas da Rainha

Read More...

2012-05-14

A Zanga / The Quarrell - Stanley Kunitz


A palavra que disse em raiva
pesa menos que uma semente de salsa,
mas por ela passa a estrada
que leva à minha sepultura,
naquele talhão comprado
nas encostas salgadas de Truro
onde os pinheiros dominam a baía.
Estou já meio-morto que chegue,
desviado da minha própria natureza
e da minha força de viver.
Se pudesse chorar, chorava.
Mas sou velho demais para ser
a criança de alguém.
Liebchen,
com quem me vou zangar
senão nos murmúrios do amor,
essa chama áspera e irregular?
Poema extraído daqui

The Quarrell

The word I spoke in anger
weighs less than a parsley seed,
but a road runs through it
that leads to my grave,
that bought-and-paid-for lot
on a salt-sprayed hill in Truro
where the scrub pines
overlook the bay.
Half-way I'm dead enough,
strayed from my own nature
and my fierce hold on life.
If I could cry, I'd cry,
but I'm too old to be
anybody's child.
Liebchen,
with whom should I quarrel
except in the hiss of love,
that harsh, irregular flame?

Stanley Jasspon Kunitz (n. 29 Jul 1905 em Worcester, Massachusetts, USA; f. 14 Mai 2006 na cidade de Nova York, USA)

Read More...

2012-05-13

Sem Vergonha


Depois dos relevantes serviços prestados ao FCP e com o título oferecido no jogo da Luz ao deixar passar um duplo fora de jogo (em lance de bola parada!) a dar o triunfo e o primeiro lugar no campeonato aos portistas, não podia a equipa de arbitragem de Pedro Proença faltar à jornada de festa ao assistir em tribuna de honra - dentro do relvado, pois claro e a apitar bem a favor do FCP: um penalty precedido de falta de Hulk e duas expulsões de jogadores do Sporting. Convidado de honra a festejar com os anfitriões um título obtido através da joint-venture Arbitragem-FCP com percentagens ainda não bem definidas!...

Se os "apitos dourados", "quinhentinhos", "café com leite", "fruta" e recepções de árbitros em casa mas para dar conselhos matrimoniais, foram matérias por "baixo do pano" e com preocupações de esconder, agora há ainda mais motivos de preocupações com o despautério com que os senhores que mandam no futebol fazem as coisas tão às claras e pior do que isso sem vergonha, ainda se exibem mostrando que fazem o que querem e por que querem!

Read More...

Reflexão n°.1 - Murilo Mendes

Ninguém sonha duas vezes o mesmo sonho
Ninguém se banha duas vezes no mesmo rio
Nem ama duas vezes a mesma mulher.
Deus de onde tudo deriva
E a circulação e o movimento infinito.

Ainda não estamos habituados com o mundo
Nascer é muito comprido.

Murilo Monteiro Mendes (n. em 13 de Maio de 1901 em Juíz de Fora, Minas Gerais — m. em Lisboa a 13 de agosto de 1975)

Ler do mesmo autor, neste blog:
Jandira
Metafíscia da Moda Feminina
Choro do poeta actual

Read More...

2012-05-12

Soneto - Manuel Alegre

É preciso saber porque se é triste
é preciso dizer esta tristeza
que nós calamos mas tantas vezes existe
tão inútil em nós tão portuguesa.

É preciso dizê-la é preciso despi-la
é preciso matá-la perguntando
Porquê esta tristeza como e quando
e porquê tão submissão tão tranquila.

Esta tristeza que nos prende em sua teia
esta tristeza aranha esta negra tristeza
que não nos mata nem nos incendeia

antes em nós semeia esta vileza
e envenena o nascer de qualquer ideia.
É preciso matar esta tristeza.

in Manuel Alegre, 30 Anos de Poesia, Círculo de Leitores

Manuel Alegre de Melo Duarte nasceu a 12 de Maio de 1936 em Águeda.

Ler do mesmo autor, neste blog:
Grega
E alegre se fez triste
Coisa Amar
Uma Flor de Verde Pinho
Trova do Vento que Passa
As facas
Coração Polar
Trova do Amor Lusíada

Read More...

2012-05-11

Velando - Augusto Casimiro

Junto dela, velando... E sonho, e afago
imagens, sonhos, versos comovido...
Vejo-a dormir... O meu olhar é um lago
em que um lírio alvorece reflectido...

Vejo-a dormir e sonho... Só de vê-la
meu olhar se perfuma e, em minha vista,
há um céu de Amor a estremecê-la
e a devoção ansiosa dum Artista...

- Nuvem poisada, alvente, sobre a neve
das montanhas do céu, - ó sono leve,
hálito de jasmim, lírio, luar...

Respiração de flor, doçura, prece...
- Ó rouxinóis, calai! Fonte, adormece!...
Senão o meu Amor pode acordar!...

in 366 poemas que falam de amor, uma antologia organizada por Vasco Graça Moura, Quetzal

Augusto Casimiro dos Santos (n. em Amarante a 11 Maio de 1889; m. em Lisboa a 23 Set. 1967)

Ler do mesmo autor, neste blog:
I A Hora da Prece
Do Primeiro Regresso
O Poeta e a Nau
Sangue de Inês
Velando

Read More...

2012-05-10

ACORDAR NA RUA DO MUNDO - Luiza Neto Jorge


madrugada, passos soltos de gente que saiu
com destino certo e sem destino aos tombos.
no meu quarto cai o som depois
a luz. ninguém sabe o que vai
por esse mundo. que dia é hoje?
soa o sino sólido as horas, os pombos
alisam as penas, no meu quarto cai o pó.

um cano rebentou junto ao passeio.
um pombo morto foi na enxurrada
junto com as folhas dum jornal já lido.
impera o declive
um carro foi-se abaixo
portas duplas fecham
no ovo do sono a nossa gema.

sirenes e buzinas. ainda ninguém via satélite
sabe ao certo o que aconteceu. estragou-se o alarme
da joalharia. os lençóis na corda
abanam os prédios, pombos debicam
o azul dos azulejos. assoma à janela

quem acordou. o alarme não pára o sangue
desavém-se. não veio via satélite a querida imagem o vídeo
não gravou
e duma varanda um pingo cai
de um vaso salpicando o fato do bancário.

(A LUME, 1989)
Extraído de Poemas Portuguesas Antologia da Poesia Portuguesa do Sé. XIII ao Séc. XXI, Porto Editora

Luiza Neto Jorge nasceu a 10 de Maio de 1939 em Lisboa, onde faleceu a 23 de Fevereiro de 1989.

Ler da mesma autora, neste blog:
Nas Cidades do Sul
Baixo-Relevo
Desinferno II
Minibiografia
As casas vieram de noite
O poema ensina a cair
Magnólia
Ritual

Read More...

2012-05-09

MISTICISMO - Ascenso Ferreira

Na paisagem da rua calma,
tu vinhas vindo… vinhas vindo…,
e teu vestido era tão lindo
que parecia que tu vinhas envolvida na tu’alma…

Alma encantada;
alma lavada
e como que posta ao sol para corar…

E que mãos misteriosas terão feito o teu vestido,
que até parece o de Maria Borralheira,
quando foi se casar…!

─ Certamente foi tecido
pelas mãos de uma estrela fiandeira,
com fios de luz, no tear do luar…
no tear do luar…

O teu vestido que parece o de Maria Borralheira
quando foi se casar…

─ "Cor do mar com todos os peixinhos…!
─ Cor do céu com todas as estrelas…"!

E vinhas vindo… vinhas vindo…
na paisagem da rua calma,
e o teu vestido era tão lindo
que parece que tu vinhas envolvida na tu’alma…

Poema recolhido daqui


Ascenso Carneiro Gonçalves Ferreira (Palmares, 9 de maio de 1895 — Recife, 5 de maio de 1965)

Read More...

2012-05-08

Tríptico - Edgar Carneiro

Nunca digas adeus
Sem ver se tens contigo
A chave do regresso



Não creias na lua;
O céu acende estrelas
Para ti.


A noite recolhe
As pérolas soltas
Da concha do dia.



In Périplo. Poema extraído daqui


Edgar Carneiro nasceu em Chaves em 8 de Maio de 1913 e faleceu no Hospital de V. N. de Gaia em 15 de Janeiro de 2011.



Read More...

2012-05-07

Canção - Rabindranath Tagore


1.
O pranto do meu coração também é pranto do coração dela.
O fio com que ela me prende também a prende a ela.
Procurei-a em toda a parte,
Adorei-a dentro de mim,
Oculta nessa adoração ela também me procurou.
Cruzando os vastos oceanos veio roubar-me o coração.
Esqueceu-se do regresso pois também o perdera.
Os seus encantos atraiçoam-na,
Lança a sua rede, sem saber
Se vai pescar ou ser pescada.

2.
Oh, tu, última estrela do amanhecer!
Deixa atrás de ti uma mensagem, semi-adormecida e secreta
Na primeira flor da alvorada.
Talvez Ela, fonte de toda a alegria,
Me beije também numa nova vida
No fim da antiga vida.
Talvez todos os sonhos da noite floresçam como novas canções
No momento de despertar.
Oxalá ela, a Solitária, que habita no meu coração,
Apareça em vestido de noiva na manhã da
Minha nova vida.

in Qual é a Minha ou a Tua Língua? Cem poemas de amor de outras línguas, organização de Jorge Sousa Braga, Assírio & Alvim

Rabindranath Tagore ou Rabíndranáth Thákhur (रवीन्द्रनाथ ठाकुर) nasceu em Calcutá, Índia Britânica a 7 May 1861; morreu em Calcutá a 7 Agosto de 1941.

Ler do mesmo autor, neste blog:
Se é assim que desejas
If you would have it so
A Mulher Inspiradora
Cãntico da Esperança
A Colheita XXII

Read More...

2012-05-06

Uma Troca Simples de Mãos Para Que a Melodia Vingue - Amadeu Baptista

Uma troca simples de mãos para que a melodia vingue
no andamento em que nos reconhecemos.
Uma fracção de tempo, um disparo
para que se entreteçam as pedras, os blocos de fogo.

Hoje disponho o mar ante os teus olhos, a tempestade,
a crueza sistemática das coisas, essa chuva que arde
neste efémero instante
que corta a costa, a barra, o farol.

De onde venho? Correspondo a que uivo
nesta solidão entre o abismo e coisa nenhuma?

in 366 POEMAS QUE FALAM DE AMOR, Antologia organizada por Vasco Graça Moura, Quetzal

Amadeu Baptista nasceu no Porto a 6 de Maio de 1953.

Read More...

2012-05-05

Retrato - Luís Amaro

Um silêncio, um olhar, uma palavra
Nasceste assim na minha vida,
Inesperada flor de aroma denso,
Tão casual e breve.

Já te visionara no meu sonho,
Imagem de segredo esparsa ao vento
Da noite rubra, delicada, intacta.
E pressentira teu hálito na sombra
Que minhas mãos desenham, inquietas.

Existias em mim... O teu olhar
Onde cintila, pura a madrugada,
Guardara-o no meu peito, ó invisível,
Flutuante apelo das raízes
Que teimam em prender-te, minha vida!


in 366 poemas que falam de amor, uma antologia organizada por Vasco Graça Moura, Quetzal

Francisco Luís Amaro, nasceu em Aljustrel, em 05.05.1923

Read More...

2012-05-04

Em Meio do Caminho - Luís Murat

Quando à varanda de ouro e nácar da poesia
Chega o fantasma negro e triste de meu verso,
Que nos olhos, outrora, a dúvida trazia,
Como as ruínas de ignoto e lúgubre universo,
Paira, branca, no azul, a sua imagem fria.

Minha estrofe soluça, a lágrima murmura,
Timidamente ao meu ouvido um ai queixoso,
Deixando atrás de si aberta a sepultura,
Onde - coveiro mau - vou enterrar o gozo
Da primeira saudade e da última ventura.

A demência, enroscada aos meus cabelos, ruge,
Desatrelando os seus mastins e as suas fúrias.
Arreminado o vento, entre os parcéis estruge:
E eu venço a preamar de todas as injúrias,
Apesar de seu lodo e da sua babuje.

Porão escuro e vil, de mortos carregado,
Vai minh'alma sulcando oceano fora. Rudo,
Rebenta o temporal às nuvens agarrado.
Debalde ao mar o horror dos meus nervos sacudo,
Debalde ao céu num ai subo aterrorizado!

Onde estais, onde estais, quimeras fugitivas?
Onde estais, onde estais, fugitivos amores?
Vejo-vos, sem clamor, nas sombras redivivas
Que vêm em procissão regar as minhas dores
- Desbotadas cecéns, pálidas sempre-vivas!

A antífona queixosa onde até hoje mora,
Como em cárcere de ouro, um astro prisioneiro,
Minha pobre e infeliz alma de poeta, agora,
Ao ouvir da saudade o verso derradeiro,
Com o verso delira e com o verso chora.

Olgas e torrentões trajaram-se de luto;
Secou-se o rio, a voz das árvores calou-se.
Um rumor tumular erriça o monte abrupto...
E o fruto, a sazonar no coração, mais doce
Que o mel, por que ficou tão amargo esse fruto?...

O que se vê na terra, e se entrevê no espaço
É uma projeção do que se passa n'alma.
Ah! tivesse-a ao meu seio, ah! tivesse-a ao meu braço,
Que voltaria a luz resplandecente e calma
À estrofe, onde ainda escuto o ruído de seu passo.

Seu nome tem a cor de um céu triste e remoto:
Tem nas letras azuis um arco-íris aberto;
Quando o ouço pronunciar, em cada letra noto
Um rio que parece entrar por um deserto,
Buscando a esfera ideal de algum país ignoto.

Seu nome, sua voz, tudo me encanta o ouvido,
E, em ídolos, consagra a ânsia desse transporte,
A luz dessa visão, o eco desse gemido...
E quando julgo entrar os penetrais da morte.
Eis-me à roda fatal, de novo, restituído!

E a isso chamam viver! Que suprema ironia!
Dorme a estrela no céu, como qualquer carcaça
No fundo de uma vala ou de uma galeria
De mortos, onde o mocho um epitáfio traça,
Quando num crânio pousa ou sobre um sonho pia!...

A luz de que nos serve? O sol que nos aquece,
De que nos serve o sol, se andamos solitários.
Sem teu bordão, ó fé, sem teu Calvário, ó prece?
A religião da infância, o incenso dos santuários,
Bem depressa se esvai, bem depressa se esquece!...

(Poesias escolhidas, 1917)

Poema extraído do sítio da Academia Brasileira de Letras

Luís Murat (L. Morton Barreto M.) nasceu em Itaguaí, RJ, em 4 de maio de 1861, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 3 de julho de 1929.

 Ler do mesmo autor neste blog: O Poder das Lágrimas; Além Ainda; Penas Perdidas; Ironia do Coração

Read More...

2012-05-03

Língua Portuguesa - Fernando Semana

Doce língua portuguesa
Com sabor a mel e sal:
uma faustosa ceia à mesa,
na cama, um vendaval;

Sedutora, de beleza incontida,
Língua de fel e de saudade.
Mulher fiel, mal compreendida,
Ganha mais valor com a idade.

Perturbadora, límpida, singela...
Pimenta, açafrão, canela...
Pedra preciosa e filigrana;
Sou teu súbdito e tu tirana.

Desfloro-te e assassino
e logo após te imagino
virgem e te redescubro
para sentir-te, outra vez, ao rubro
eterna mas sempre diferente
como só a alma pátria a gente sente.

Fernando Semana

Nota: inspirado em A Língua Portuguesa de Alberto de Lacerda, que se reproduz a seguir:

Esta língua que eu amo
Com seu bárbaro lanho
Seu mel
Seu helénico sal
E azeitona
Esta limpidez
Que se nimba
De surda
Quanta vez
Esta maravilha
Assassinadíssima
Por quase todos os que a falam
Este requebro
Esta ânfora
Cantante
Esta máscula espada
Graciosíssima
Capaz de brandir os caminhos todos
De todos os ares
De todas as danças
Esta voz
Esta língua
Soberba
Capaz de todas as cores
Todos os riscos
De expressão
(E ganha sempre à partida)
Esta língua portuguesa
Capaz de tudo
Como uma mulher realmente
Apaixonada
Esta língua
É minha Índia constante
Minha núpcia ininterrupta
Meu amor para sempre
Minha libertinagem
Minha etena
virgindade.

Read More...

Beatriz - Francisco Serra Azul

É mais formosa que a Beatriz do Dante,
Porque, se aquela fosse assim tão bela,
O poeta não teria tido aquela
visão de inferno e glória ao mesmo instante

Porque quem vir Beatriz, estou que cante
Somente a glória que ela vive, em si, revela
E só poderá ver inferno adiante
Ou purgatório, estando ausente dela.

Assim, para a beleza ser completa,
É preciso ter na alma a formosura
Que se ajuste à do corpo em linha reta.

E esta Beleza da alma se apresenta
Em Beatriz, na virtude e na ternura
De que a beleza dela se ornamenta.

Francisco Henrique Leite, depois Francisco Leite Serra Azul, nasceu no sítio de Pau Branco no riacho do Tipi de Aurora, CE, no dia 03 de maio de 1893. Faleceu em Fortaleza em 29 de outubro de 1983.

Poema extraído daqui; dados biográficos daqui

Ler do mesmo autor: Alice


Read More...

2012-05-02

Quando não mais o Número e a Figura ... - Novalis

Quando não mais o Número e a Figura
Sejam chaves de toda a Criatura,
Quando aqueles que cantam ou que beijam
Mais sábios que os mais sábios inda sejam,
Quando o mundo, que a vida livre esquece,
À vida e a si próprio já regresse,
E quando a luz e as trevas se casarem
Pra claridade vívida gerarem,
Quando virmos que a história universal
Só na poesia e lenda é que é real,
Brotará do mistério de um só verbo
O renovado Ser que andava enfermo.

Tradução de A. Herculano de Carvalho

Extraído de Rosa do Mundo, 2001 Poemas para o Futuro, Porto Editora

Novalis, pseudónimo de Georg Philipp Friedrich Freiherr von Hardenberg (n. em Oberwiederstedt, Electorate of Saxony, Germany 2 maio 1772; f. 25 março 1801 em Weißenfels, Germany)

Read More...

Há 50 anos o Benfica foi bi-Campeão Europeu!

Estádio Olímpico em Amesterdão
Assistência 61.257
Image Hosted by ImageShack.us
Benfica 5 - 3 Real Madrid


Benfica: Costa Pereira; Mário João e Angelo; Cavém, Germano e Cruz; José Augusto, Eusébio, Águas (cap.), Coluna e Simões. Treinador : Bela Guttman
Real Madrid: Araquistain; Casado, Miera, Felo, Santamaria; Pachin, Tejada, Del Sol, Di Stefano; Puskas e Gento. Treinador: Miguel Muñoz
Árbitro: Leo Horn (Holanda)
Golos: 0-1 Puskas (17'); 0-2 Puskas (22'); 1-2 Águas (25'); 2-2 Cavém (34'); 2-3 Puskas (37') Intervalo : 2-3
3-3 Coluna (51'); 4-3 Eusébio (62' de g.p.); 5-3 Eusébio (68').

Image Hosted by ImageShack.us
Altura da marcação do livre por Águas que deu o 1-2.

Read More...

2012-05-01

Vista cansada - Otto Lara Resende

Acho que foi o Hemingway quem disse que olhava cada coisa à sua volta como se a visse pela última vez. Pela última ou pela primeira vez? Pela primeira vez foi outro escritor quem disse. Essa idéia de olhar pela última vez tem algo de deprimente. Olhar de despedida, de quem não crê que a vida continua, não admira que o Hemingway tenha acabado como acabou.

Se eu morrer, morre comigo um certo modo de ver, disse o poeta. Um poeta é só isto: um certo modo de ver. O diabo é que, de tanto ver, a gente banaliza o olhar. Vê não-vendo. Experimente ver pela primeira vez o que você vê todo dia, sem ver. Parece fácil, mas não é. O que nos cerca, o que nos é familiar, já não desperta curiosidade. O campo visual da nossa rotina é como um vazio.

Você sai todo dia, por exemplo, pela mesma porta. Se alguém lhe perguntar o que é que você vê no seu caminho, você não sabe. De tanto ver, você não vê. Sei de um profissional que passou 32 anos a fio pelo mesmo hall do prédio do seu escritório. Lá estava sempre, pontualíssimo, o mesmo porteiro. Dava-lhe bom-dia e às vezes lhe passava um recado ou uma correspondência. Um dia o porteiro cometeu a descortesia de falecer.

Como era ele? Sua cara? Sua voz? Como se vestia? Não fazia a mínima idéia. Em 32 anos, nunca o viu. Para ser notado, o porteiro teve que morrer. Se um dia no seu lugar estivesse uma girafa, cumprindo o rito, pode ser também que ninguém desse por sua ausência. O hábito suja os olhos e lhes baixa a voltagem. Mas há sempre o que ver. Gente, coisas, bichos. E vemos? Não, não vemos.

Uma criança vê o que o adulto não vê. Tem olhos atentos e limpos para o espetáculo do mundo. O poeta é capaz de ver pela primeira vez o que, de fato, ninguém vê. Há pai que nunca viu o próprio filho. Marido que nunca viu a própria mulher, isso existe às pampas. Nossos olhos se gastam no dia-a-dia, opacos. É por aí que se instala no coração o monstro da indiferença.

Texto publicado no jornal “Folha de S. Paulo”, edição de 23 de fevereiro de 1992.

Extraído daqui

Otto de Oliveira Lara Resende nasceu no dia 1°. de maio de 1922, em São João del Rei, Minas Gerais; faleceu em 28 de dezembro de 1992 no Rio de Janeiro.

Read More...

A Elegia das Grades - Mário Beirão


A fome, um dia, arrastou-me
Para as grades da prisão:
Sou o bastardo sem nome,
O deserdado sem pão!

Meu ar é dúbio, suspeito:
Vinte prisões conto já,
Vinte facadas no peito,
Na alma quantas não há!

Ninguém me quer, sou da vasa;
N as minhas carnes espúrias
Marcaram, a ferro em brasa,
Tatuagens rubras de injúrias!

Quando eu canto, o povo em massa
Chora ouvindo a minha voz;
Novo Camões da desgraça,
Canto a dor de todos nós!

Nas lajes do corredor
Ressoam passos... Quem vem?
Ferrolhos, chaves, rumor...
Encarceraram alguém!
Ferros de El-rei! Que ironia!
Soubesse El-rei da traição,
E caridoso viria
Dar-nos lágrimas e pão!

Aqui, em torpe igualdade,
Anicham-se os pais e os filhos;
Cabeças fora da grade,
Famintos e maltrapilhos!

A sombra, espertando o instinto,
Espessa de ardis, oprime;
Abismam-se as almas ... Sinto
Correr-me a larva do crime!

Noites de febre e miasmas,
De delírios e cruezas ...
Perpassam brancos fantasmas,
Brandões, fogueiras acesas!

Aos areais da desgraça
Lançou-me torva maré ...
Vejo toda a minha raça
Ardendo em autos-de-fé!

Adeus, a noite vai alta!
Por entre névoas, mui cedo,
Vou de súcia com a malta,
Na leva para o degredo!
Que importa morrer de todo
Nos ermos de água sem fim?
Eu já morri de algum modo:
Sou a lembrança de mim!

Saudades, brumas, acenam ...
Eu, no escuro, a murmurar:
«- Os crimes dos que condenam
Nem o inferno os quer julgar!»

Çala a tua alta Epopeia,
O povo de Pedro Sem!
Maré cheia, maré cheia,
Já se não salva ninguém!

Extraído de Antologia de Poemas Portugueses Modernos por António Pessoa e António Botto, Ática Poesia

Mário Pires Gomes Beirão (n. em Beja a 1 Mai 1890; m. em Lisboa a 19 Fev. 1965)

Ler do mesmo autor e neste blog:
Adeus
O Vago
Ausência
Cintra

Read More...