Blog Widget by LinkWithin
Mostrar mensagens com a etiqueta Octavio Paz. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Octavio Paz. Mostrar todas as mensagens

2012-03-31

Tocar - Octavio Paz

As minhas mãos
abrem as cortinas do teu ser
vestem-te com outra nudez
descobrem os corpos do teu corpo
As minhas mãos
inventam outro corpo
para o teu corpo


in Qual é a minha ou a tua língua, cem poemas de amor de outras línguas; organização de Jorge Sousa Braga, Assírio & Alvim

Octavio Paz Lozano (n. Cidade do México, 31 de Março de 1914 — m. Cidade do México, 19 de Abril de 1998)

Do mesmo autor, no Nothingandall: Madrugada

Read More...

2009-03-31

Madrugada - Octavio Paz

Dedham Vale - 1828 - Oil on canvas 145 × 122 cm
National Gallery of Scotland
John Constable (n. East Bergholt, Suffolk 11 Jun 1776 – m. Londres, 31 Mar, 1837)
Rápidas mãos frias
retiram uma a uma
as vendas da sombra
Abro os olhos
Ainda
estou vivo
No centro
de uma ferida ainda fresca.

Trad. de José Bento; in Rosa do Mundo, 2001 Poemas para o Futuro, Assírio & Alvim
Versão Original

MADRUGADA

Rápidas manos frías retiran una a una las vendas de la sombra Abro los ojos todavía estoy vivo en el centro de una herida todavía fresca
Octavio Paz Lozano (n. Cidade do México, 31 de Março de 1914 — m. Cidade do México, 19 de Abril de 1998)

Read More...