Blog Widget by LinkWithin

2016-04-29

A Imagem de Vento - Nuno Júdice


para a Manuela

No princípio, desenvolveu a ideia de que o arco-íris era
uma ponte: aparecia sobre os barcos, no fim dos temporais,
e o marinheiro da gávea avistava uma mulher de cabelos
de ouro, agitados pelo vento, a atravessá-la; alguns desses
marinheiros enlouqueceram. Conheceu-os, durante os meses
em que estudou os costumes dos portos - sentavam-se à
parte, nas tabernas, e acendiam uma vela. Diziam que o brilho
da chama evocava os cabelos dourados dessa mulher; e
que o azul do álcool os fixava, como um olhar celeste.
Tentou então viver essa experiência: embarcou num velho
cargueiro e, durante dois ou três anos, percorreu os mares.
Mas nunca encontrou a deusa; nem os arco-íris formavam
o arco completo da ponte que imaginara. Também ele enlou-
queceu, e dizem que sobe ao telhado da casa, nas noites
de temporal, e grita pelo sol, a quem dá um nome de mulher;
até ficar rouco e o trazerem para o quarto. Aí, até
adormecer, murmura esse nome sem corpo, sem imagem, sem luz.

(Lira de Líquen, 1985)

Nuno Manuel Gonçalves Júdice Glória nasceu na Mexilhoeira Grande, Portimão em 29 de abril de 1949

Read More...

2016-04-28

Horas Mortas - Alberto de Oliveira

Breve momento, após comprido dia
de incómodos, de penas, de cansaço,
'inda o corpo a sentir quebrado e lasso,
posso a ti me entregar, doce Poesia!

Desta janela aberta à luz tardia
do luar em cheio a clarear o espaço,
vejo-te vir, ouço-te o leve passo
na transparência azul da noite fria.

Chegas. O ósculo teu me vivifica.
Mas é tão tarde! Rápido flutuas,
tornando logo à etérea imensidade;

e, na mesa a que me escrevo, apenas fica,
sobre o papel - rastro das asas tuas -
um verso, um pensamento, uma saudade.

in A Circulatura do Quadrado - Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa - Edições Unicepe, 2004

Antônio Mariano Alberto de Oliveira (n. em Palmital de Saquarema (RJ) a 28 de abril de 1857; m. em Niterói (RJ) em 19 de janeiro de 1937).

Read More...

2016-04-27

sinais - Vasco Graça Moura

eu estou na casa das nuvens
do terraço faço cais
passa uma nuvem e outra
e mais outra e vêm lá mais
quero apanhar uma delas
mas não sei em qual tu vais
chega a uma das janelas
e daí faz-me sinais


in poesia reunida, vol. 2 1997-2010
Quetzal poesia


Vasco Navarro da Graça Moura (Foz do Douro, Porto, 3 de janeiro de 1942 — Lisboa, 27 de abril 2014)

Read More...

2016-04-26

VIII - Quasi - Mário de Sá-Carneiro (na passagem do centenário da morte do poeta)

Um pouco mais de sol - eu era brasa,
Um pouco mais de azul - eu era além.
Para atingir, faltou-me um golpe d'asa...
Se ao menos eu permanecesse aquém...

Assombro ou paz? Em vão... Tudo esvaído
Num grande mar enganador de espuma;
E o grande sonho despertado em bruma,
O grande sonho - ó dor! - quase vivido...

Quasi o amor, quasi o triunfo e a chama,
Quasi o princípio e o fim - quasi a expansão...
Mas na minh'alma tudo se derrama...
Entanto nada foi só ilusão!

De tudo houve um começo ... e tudo errou...
- Ai a dor de ser-quasi, dor sem fim...
Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim,
Asa que se enlaçou mas não voou...

Momentos d'alma que desbaratei...
Templos aonde nunca pus um altar...
Rios que perdi sem os levar ao mar...
Ânsias que foram mas que não fixei...

Se me vagueio, encontro só indícios...
Ogivas para o sol - vejo-as cerradas;
E mãos de herói, sem fé, acobardadas,
Puseram grades sobre os precipícios...

Num ímpeto difuso de quebranto,
Tudo encetei e nada possuí...
Hoje, de mim, só resta o desencanto
Das coisas que beijei mas não vivi...

------------------------------
------------------------------

Um pouco mais de sol - e fora brasa,
Um pouco mais de azul - e fora além.
Para atingir faltou-me um golpe de asa...
Se ao menos eu permanecesse aquém...

Paris 1913, maio 13

Mário de Sá-Carneiro (n. Lisboa, 19 de maio de 1890; m. em Paris, 26 de abril de 1916 - suicídio).

Read More...

2016-04-22

Quissange - Saudade Negra - Thomaz Vieira da Cruz



Não sei, por estas noites tropicais,
o que me encanta...
Se é o luar que canta
ou a floresta aos ais.

Não sei, não sei, aqui neste sertão
de musica dolorosa
qual é a voz que chora
e chega ao coração...

Qual o som que aflora
dos lábios da noite misteriosa!

Sei apenas, e isso é que importa,
que a tua voz, dolente e quase morta,
já mal a escuto, por andar ausente,
já mal escuto a tua voz dolente...

Dolente, a tua voz "luena",
lá do distante Moxico,
que disponho e crucifico
nesta amargura morena...

Que é o destino selvagem
duma canção em que tange,
por entre a floresta virgem
o meu saudoso "Quissange".

Quissange, fatalidade
deste meu triste destino...
Quissange, negra saudade
do teu olhar diamantino.

Quissange, lira gentia,
cantando o sol e o luar,
e chorando a nostalgia
do sertão, por sobre o mar.

Indo mares fora, mares bravos,
em noite primaveril
acompanhando os escravos
que morreram no Brasil.

Não sei, não sei,
neste verão infinito,
a razão de tanto grito...

-Se és tu, oh morte, morrei!

Mas deixa a vida que tange,
exaltando as amarguras,
e as mais tristes desventuras
do meu amado Quissange!

Thomaz Vieira da Cruz nasceu em Constância, Ribatejo, em 22 de abril de 1900. Viveu em Angola a maior parte da sua sua vida. Fundou com outros, em Novo Redondo, onde viveu largos anos, o Jornal Mocidade. Considerado um percursor da literatura angolana, faleceu em Lisboa em 7 de junho de 1960.

Read More...