Blog Widget by LinkWithin

2014-03-18

Menino e Moço - António Nobre

Tombou da haste a flor da minha infância alada.
Murchou na jarra de oiro o pudico jasmim:
Voou aos altos céus Sta. Águia, linda fada
Que dantes estendia as asas sobre mim.

Julguei que fosse eterna a luz dessa alvorada,
E que era sempre dia, e nunca tinha fim
Essa visão de luar que vivia encantada,
Num castelo de prata embutido a marfim!

Mas, hoje, as águias de oiro, águias da minha infância,
Que me enchiam de lua o coração, outrora,
Partiram e no céu evolam-se à distancia!

Debalde clamo e choro, erguendo aos céus meus ais:
Voltam na asa do vento os ais que a alma chora,
Elas, porém, Senhor! elas não voltam mais...


Versão extraída da cópia digital Projeto Gutenberg do original
ANTONIO NOBRE, SÓ, PARIS, LÉON VANIER, ÉDITEUR 19, QUAI SAINT-MICHEL, 19, 1892

Existe outra versão com alterações nos 3º e 8º versos que seriam
Voou aos altos céus a pomba enamorada
Mas, hoje, as pombas de oiro, aves da minha infância,
(versão vista por exemplo aqui)

Em obediência à publicação preferimos a Sta. Águia e as águias de oiro (até porque o Benfica mais uma vez voou alto!)

António Pereira Nobre (nasceu no Porto a 16 de Agosto de 1867 e foi vítima de tuberculose pulmonar, na Foz do Douro, Porto a 18 de Março de 1900).

Ler do mesmo autor, neste blog:
O Teu Retrato
À Luz de Lua
Ao Cair das Folhas
Virgens que passais
Carta ao Oceano
A Leão XIII
Ladainha
Purinha
E a vida foi, e é assim, e não melhora


0 comments: