Blog Widget by LinkWithin

2010-12-21

Ditado entre as agonias do seu trânsito final - Barbosa du Bocage (na passagem dos 205 anos sobre a sua morte)

Já Bocage não sou!... À cova escura
Meu estro vai parar desfeito em vento...
Eu aos céus ultrajei! O meu tormento
Leve me torne sempre a terra dura.

Conheço agora já quão vã figura
Em prosa e verso fez meu louco intento.
Musa!... Tivera algum merecimento,
Se um raio da razão seguisse, pura!

Eu me arrependo; a língua quase fria
Brade em alto pregão à mocidade,
Que atrás do som fantástico corria:

Outro Aretino fui... A santidade
Manchei!... Oh! Se me creste, gente ímpia,
Rasga meus versos, crê na eternidade!


in Cem Sonetos Portugueses; selecção, organização e introdução de José Fanha e José Jorge Letria; Terramar

Manuel Maria Ledoux de Barbosa du Bocage (n. 15 Set 1765 em Setúbal; m. Lisboa, 21 Dez 1805)

Ler do mesmo autor, neste blog:
Temo que a minha ausência e desventura
Ó retrato da Morte! Ó Noite amiga
Já Bocage não sou! ...À Cova escura
Nascemos para amar
Ó tranças de que Amor prisão me tece
Liberdade, onde estás quem te demora...


1 comments:








Carmem L Vilanova

disse...

Querido amigo Fernando,

Passo hoje para deixar-te um poeminha de Natal, que sejas sempre feliz e no ano que se inicia possamos seguir juntos nesta caminhada!

"Natal...
É o mês de confraternização Agradecimento pela vida
Bênçãos ao filho de DEUS
União, amor, reflexão!

Que o bom velhinho traga um saco cheinho de paz,
harmonia, fraternidade
Que o gesto de ternura se estenda de várias mãos
Que ao som dos sinos
O amor exploda em toda direção!

FELIZ NATAL!"

UM ANO NOVO DE FÉ E SUCESSO!

Beijos, flores e muitos sorrisos!