Blog Widget by LinkWithin

2016-06-15

Momento de poesia - Almada Negreiros

Se escrevo ou leio ou desenho ou pinto,
logo me sinto tão atrasado
no que devo à eternidade,
que começo a empurrar pra diante o tempo
e empurro-o, empurro-o à bruta
como empurra um atrasado,
até que cansado me julgo satisfeito.
(Tão gémeos são
a fadiga e a satisfação!)
Em troca, se vou por aí
sou tão inteligente a ver tudo o que não é comigo,
compreendo tão bem o que não me diz respeito,
sinto-me tão chefe do que está fora de mim,
dou conselhos tão bíblicos aos aflitos de uma aflição que não é minha,
que, sinceramente, não sei qual é melhor:
se estar sózinho em casa a dar manivela à vida,
se ir por aí e ser Rei de tudo o que não é meu.

Lisboa, Novembro 1939

José Sobral de Almada Negreiros (Trindade, S. Tomé e Príncipe, 7 de abril de 1893 – Lisboa, 15 de junho de 1970)