Blog Widget by LinkWithin

2016-05-09

O Cão de Pompeia - Lucian Blaga


Eu vi em Pompeia aquele cão romano.
Assim o quiseram as Deusas da sorte:
Um molde guardado na massa da morte,
Que o não apodreça nem chuva, nem ano.

Escapara à nuvem da porta, correndo
À noite caída do monte co'o fogo.
Porém, sobre si dando volta, foi logo
Extinguir-se a rosnar e em cinza mordendo.

Mas - chumbo e cinza e nuvem - Senhor,
Vos vejo, até mim pela porta irrompendo,
Do monte dos céus, com ar devastador.

Só escapo até à saída. E após,
A cinza do mundo, em Vós vou mordendo,
E guardo este molde p'ra sempre em Vós

Trad. de Doina Zugravescu

in Rosa do Mundo, 2001 Poemas para o Futuro, Assírio & Alvim

Lucian Blaga nasceu a 9 de maio de 1895, em Lancrăm, lângă Sebeș, comitatul Sibiu; faleceu a 6 de maio de 1961, em Cluj-Napoca, Roménia