Blog Widget by LinkWithin

2015-06-04

Génesis VI - Jorge de Sena

De mim não falo mais: não quero nada.
De Deus não falo: não tem outro abrigo.
Não falarei também do mundo antigo,
pois nasce e morre em cada madrugada.

Nem de existir, que é a vida atraiçoada,
para sentir o tempo andar comigo;
nem de viver, que é liberdade errada,
e foge todo o Amor quando o persigo.

Por mais justiça ... - Ai quantos que eram novos
em vão a esperaram porque nunca a viram!
E a eternidade...Ó transfusão dos povos!

Não há verdade: O mundo não a esconde.
Tudo se vê: só se não sabe aonde.
Mortais ou imortais, todos mentiram.

in Poemas Portugueses Antologia da Poesia Portuguesa do Séc. XIII ao Séc. XXI. Selecção, organização, introdução e notas: Jorge Reis e Rui Lage; Prefácio: Vasco da Graça Moura. Porto Editora, 2009

Jorge Cândido de Sena (n. em Lisboa a 2 de novembro de 1919; m. em Santa Bárbara, Califórnia a 4 de junho de 1978)

Ler neste blog do mesmo autor:
Quando se Pensa Nesse Amor
A Canalha
Suma Teológica
Carta a Meus Filhos Sobre os Fusilamentos de Goya
Glosa à Chegada do Outono
O Corpo Não Espera
Entre-Distância
Amo-te muito meu amor
Como Queiras, Amor
Fidelidade
A diferença que há...
Rígidos seios de redondas, brancas...