Blog Widget by LinkWithin

2013-05-11

ORAÇÕES DO AMOR - III - António Fogaça - Na passagem dos 150 anos do nascimento do poeta barcelense que só viveu 25 anos

Não sei o que tu pensas deste amor,
Nem, sequer, se um momento, um só que fosse,
Desejas dar alívio à imensa dor
Que esta paixão me trouxe...

É bem fundo e pesado o meu martírio
Em que a ansiedade é como um negro açoite;
Mas quem pode saber, formoso lírio,
O que o Sol pensa da Noite?!


António Maria Gomes Machado Fogaça (n. Barcelos, 11 Maio 1863, m. Coimbra, a 27 Nov. 1888).

«Fogaça foi um desses cedo-mortos que tiveram unicamente na arte como na vida, páginas de mocidade. A poesia de António Fogaça é quase sempre risonha de prazer, voluptuosa, quente d'amor lânguida e macia como essas peçasinhas que ele dóba para as suas amadas que, mesmo morrendo, ficam vivas para ele...» (Manoel de Sousa Pinto in Arte & Vida, nº. 1 - Novembro de 1904).

 Ler do mesmo autor neste blog: Desgostosa; Os Rouxinóis; Visão dum leito.