Blog Widget by LinkWithin

2011-07-03

Ironia do Coração - Luís Murat



Como estavas formosa entre o mar e a minh'alma!
Ias partir... no céu vinha rompendo a aurora.
Eu te pedia - luz, tu me pedias - calma;
Eu te dizia: - "Crê"; tu me dizias: - "Chora!"

Beijei-te as mãos, beijei-te os pequeninos pés,
Como os lábios de um padre um assoalho sagrado.
Longe, ouvia-se ainda, entre os caramanchéis,
A melodiosa voz do luar apaixonado.

"É a voz do nosso amor, nos esponsais das flores.
Não chores mais, acalma a tua ansiedade.
Assim, como hei de eu dar tréguas às minhas dores,
E recalcar no peito esta amarga saudade?"

Partiste... Sobre mim cerrou-se a escuridão.
E eu não ouso subir aos meus sonhos agora,
Porque, irônico e mau, me grita o coração,
Quando não creio: "crê!", quando não choro: "chora!"

Poema extraído do sítio da Academia Brasileira de Letras
Luís Morton Barreto Murat (nasceu em Resende, RJ, em 4 de Maio de 1861, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 3 de Julho de 1929).

Ler do mesmo autor neste blog: O Poder das Lágrimas; Além Ainda
Penas Perdidas