Blog Widget by LinkWithin

2011-04-14

O EU - Miguel Reale

Abismo em que me perco todo dia
Sempre à procura de meu ser disperso,
Reflexo do que passa pelo céu
Ou espelho exposto a todas as figuras.

Um centro vivo ou então periferia
Às vezes emergindo outras imerso
No que é dos outros ou no que é meu,
Dando sentido enorme às criaturas.

Barco perdido em meio à correnteza
Ou bússola marcando os horizontes,
Um sair e volver eternamente,

Novelo intumescido de incerteza
As chãs planícies e elevados montes,
Virtualidades todas da semente.


poema extraído daqui
Miguel Reale, nasceu em São Bento do Sapucaí, 6 de novembro de 1910 e faleceu em São Paulo, 14 de abril de 2006.


2 comments:








Olhos de mel

disse...

Querido Fernando; o nosso Eu, realmente algo difícil de definição. Lindo soneto!
Beijos





Luma Rosa

disse...

Estudei Miguel Reali na faculdade, mas não como poeta e sim como jurista. Ele e Monteiro Lobato eram de cidades vizinhas e muito amigos, juntos deram apoio a uma grande campanha para a extração nacional do petróleo - iniciativa que resultou nos frutos que colhemos na atualidade.
Boa semana! Beijus,