Blog Widget by LinkWithin

2005-10-28

Por amar-te tanto - Rui de Noronha


Que culpa terei eu de amar-te assim?
Que culpa terás tu de o não saberes?
Quem adivinha o que se passa em mim?
Como hei-de adivinhar o que tu queres?

Oh! Corações secretos de mulheres!
Oh! Minhas ilusões, mágoas sem fim!
Porque hei-de eu ter só mágoas, não prazeres,
por tanto te querer, doce jasmim?

Tudo, que sob a luz do sol existe,
alegre é num momento e noutro triste,
só eu herdei apenas dor e pranto...

O mais humilde verme, que rasteja,
um outro tem, que o ama, afaga e beija
- e eu nada tenho por amar-te tanto...

António Ruy de Noronha (n. Moçambique 28 Out 1909; m. Moçambique 25 Dez 1943).

in A Circulatura do Quadrado - Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa - Edição UNICEPE - Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, CRL - 2004


2 comments:








Anónimo

disse...

Rui de Noronha é/ foi, realmente, um dos melhores poetas mocambicanos. é pena que nao seja tao celebrado quanto o Craveirinha





rosa maria nazareno da silva

disse...

existe uma única coisa na minha vida que jamais vou esquecer, o quanto te amei desde o principio da minha adolescência e vai ser na minha eternidade o meu amor por ti, te amo amor da minha vida, não importa o tempo que passar, mas vou continuar te amando, beijo amor meu