Blog Widget by LinkWithin

2018-02-08

Trecho Final - Mário Pederneiras

Meia tinta de cor dos ocasos do Outono
Sonho que uma ilusão sobre a vida nos tece
E perfume sutil de uma folha de trevo,
São, decerto, a feição deste livro que escrevo
Neste ambiente de silêncio e sono
Nesta indolência de quem convalesce.

Meu livro é um jardim na doçura do Outono
E que a sombra amacia
De carinho e de afago
Da luz serena do final do dia;
É um velho jardim dolente e triste
Com um velho local de silêncio e de sono
Já sem luz de verão que o doire e tisne,
Mas onde ainda existe
O orgulho de um Cisne
E a água triste de um Lago.

Mário Veloso Paranhos Pederneiras (nasceu no Rio de Janeiro a 2 de novembro de 1867 — morreu no Rio de Janeiro a 8 de fevereiro de 1915).