Blog Widget by LinkWithin

2016-03-26

Soneto de Despedida - Francisco Bingre (na passagem dos 160 anos da sua morte)

A meus netos, filhos de minha filha Raimunda

Filhos de minha filha, amados Netos,
Duas vezes meus filhos tão queridos:
Recebei os meus últimos gemidos,
Recolhei meus recônditos afectos!...

Vós sois os meus amados mais dilectos,
Em que sempre empreguei os meus sentidos;
Queira o Céu que sejais dos escolhidos
Que Deus escritos tem nos seus decretos.

Vai o foro pagar à Natureza
O vosso velho avô que assaz vos ama!...
Envolvido nas mantas da pobreza.

Abrasado de amor na viva chama,
Nada tem que deixar-vos, de riqueza,
Mais que o triste pregão da sua fama.


Soneto n.º 2082 – pag. 469 do 6.º volume das Obras Completas
Extraído daqui


Francisco Joaquim Bingre nasceu em S. Tomé de Canelas, Estarreja no dia 9 de julho de 1763 e morreu em Mira a 26 de março de 1856).