Blog Widget by LinkWithin

2015-01-19

To a Green God - Eugénio de Andrade

Chateau Noir, Oil on Canvas 1900-04 : 27 1/2" x 32 1/4"
National Gallery of Art, Washington, D.C; Venturi 796
Paul Cézanne (n. 19 de Jan.1839, em Aix-en-Provence; m. Oct. 22, 1906)

Trazia consigo a graça
das fontes quando anoitece.
Era um corpo como um rio
em sereno desafio
com as margens quando desce.

Andava como quem passa
sem ter tempo de parar.
Ervas nasciam dos passos,
cresciam troncos dos braços
quando os erguia no ar.

Sorria como quem dança.
E desfolhava ao dançar
o corpo, que lhe tremia
num ritmo que ele sabia
que os deuses devem usar.

E seguia o seu caminho,
porque era um deus que passava.
Alheio a tudo o que via,
enleado na melodia
duma flauta que tocava.

in 366 poemas que falam de amor, antologia organizada por Vasco da Graça Moura, Quetzal Editores

José Fontinhas, que usou o pseudónimo literário de Eugénio de Andrade, nasceu em 19 de janeiro de 1923 na Póvoa de Atalaia, Fundão; m. no Porto a 13 de junho de 2005

Do mesmo autor ler neste blog:
Poema XIV de As mãos e os frutos
Surdo, Subterrâneo Rio
Os Olhos Rasos de Água


2 comments:








lino

disse...

Amigo Fernando.

No título o poema está incorrectamente atribuído a Eugénio de Castro.

Abraço





Fernando Silva

disse...

Obrigado Caro amigo. Tratou-se de um lapso que com o seu comentário consegui corrigir. Uma boa semana.