Blog Widget by LinkWithin

2011-04-25

Madrigal - Torquato Tasso

Qual orvalho, ou qual pranto,
que lágrimas aquelas
que vi correrem do nocturno manto
e do luzente rosto das estrelas?
E por que semeou a branca lua
nuvens negras de gotas cristalinas
à relva das colinas?
Por que na noite escura
se ouviram, como gritos, mundo afora
caçar o vento a aurora?
Foram sinais, talvez, de que partiste
e eu, mudo, fiquei triste?


Trad. Érico Nogueira daqui

Torquato Tasso (n. Sorrento, 11 de março de 1544 — m. Roma, 25 de abril de 1595)

Ler do mesmo autor, neste blog: Vida da minha vida


1 comments:








Olhos de mel

disse...

Pois é meu amigo; esse é um canto triste, a partida de alguém que amamos, mas são palavras doces que transformam a tristeza de um poema, em doces palavras de beleza!
Boa semana! Beijos