Blog Widget by LinkWithin

2010-12-29

Poema Eterno - Maria Azenha

A descoberta da terra, 1941. Pintura mural no edifício da
Biblioteca do Congresso, Washington, DC.
Cândido Torquato Portinari (n. Brodowski, São Paulo
29 dez 1903 — m. Rio de Janeiro, 6 fev 1962


ouço a tua voz nas folhas do jardim
que ainda existe por detrás da casa,
as tuas frágeis sílabas gravadas nas flores,
que hoje dá na luz inclinada do terraço
onde os pássaros vêm pela manhã poisar
e cantar no estendal para comer...

e eu fico calada na memória das tuas gargalhadas
entre o baloiço onde brincavas e o som das ruas
onde te foste para sempre esconder.

ouço a sinfonia das gotas de água ao cair da tarde
as nuvens no seu manto negro de anoitecer...
subo então silenciosamente por uma escada feita de cinza e aves
até ao coração da água
que vem em mim morrer ...

fico ao longe solitária
seguindo as tuas lágrimas,
as minhas mãos cresceram tanto que saíram para fora da estrada...

agora posso tocar-te e falar-te sem tu veres…
recolher as estrelas que o vento me traga,
e as palavras que procuro
até adormecer,

enquanto os pássaros vêm aninhar-se no meu colo...

Maria Azenha, nasceu em Coimbra em 29 de Dezembro de 1945.


1 comments:








Manuel

disse...

Excelente homenagem à elevada poeta - Maria Azenha, e respectiva poesia.

Minha poeta de eleição.

Muito interessante este espaço que hoje descobri.

Feliz ano Novo.