Blog Widget by LinkWithin

2008-11-18

Saudade da Prosa - Manuel António Pina

Rosa, flor

Poesia, saudade da prosa;
escrevia «tu», escrevia «rosa»;
mas nada me pertencia,
nem o mundo lá fora
nem a memória,
o que ignorava ou o que sabia.

E se regressava
pelo mesmo caminho
não encontrava

senão palavras
e lugares vazios:
símbolos, metáforas,

o rio não era o rio
nem corria e a própria morte
era um problema de estilo.

Onde é que eu já lera
o que sentia, até a
minha alheia melancolia?


in Rosa do Mundo, 366 Poemas para o Futuro, Assírio & Alvim

Manuel António Pina (nasceu em 18 de Nov. 1943 no Sabugal)

Ler do mesmo autor, neste blog: Café do Molhe