Blog Widget by LinkWithin

2005-12-13

Com mirtos e rosas... Heinrich Heine

Com mirtos e rosas, graciosos, galantes,
Odor de ciprestes e ouros reluzentes,
Quero como um caixão este livro ornar
E as minhas canções nele enterrar.

Pudesse eu também enterrar o amor!
Na campa do amor cresce a flor da paz,
Aí ela se abre, colhemo-la lá;
Pra mim, só na campa ela florirá.

São estes os cantos que outrora, em torrente,
Qual lava do Etna vinham de rompante
Brotanmdo a galope do fundo da alma,
Chispando faíscas, e nada os acalma.

Agora estão mudos, dos mortos irmãos,
Agora olham frios, das névoas irmãos.
Mas já os anima o antigo ardor,
Se sobre eles paira a força do amor.

E presságios enchem o meu coração,
Cai amor-orvalho na minha canção;
Este livro há-de à tua mão chegar,
Na terra distante onde estás, amor.

E desfaz-se então do canto o feitiço,
E olham-te as letras num brilho mortiço;
Fitam, implofrando, o teu belo olhar,
E sussuram tristes, suspirando amor.

Trad. João Barrento

Heirich Heine (n. em Dusseldorf 13 Dez 1797; m. em Paris 17 Fev 1856)

in Rosa do Mundo 2001 Poemas para o Futuro, 3ª. Ed. pag 1039/40
Porto 2001 Capital Europeia da Cultura
Assírio & Alvim