Blog Widget by LinkWithin

2005-01-17

Anátema - Miguel Torga

Não amas, e não podes
Ler o livro da vida.
Sem amor nenhuns olhos são videntes.
A tarde triste é o sol que não consentes
Ao coração.
Mundo de solidão,
O que atravessas,
É um deserto habitado
Onde tropeças
Na sombra do teu eu desencantado


Coimbra, 20 de Outubro de 1976
in Diário XII - 1977
Miguel Torga-Poesia Completa - Edições D. Quixote